O ex-presidente do conselho de administração da Nissan Carlos Ghosntransferiu perdas sofridas em investimentos particulares durante a crise financeira de 2008 para a montadora, evitando prejuízo pessoal de milhões de dólares, disse o jornal japonês Asahi Shimbun nesta terça-feira (27).

Citando múltiplas fontes não identificadas, o jornal disse que o executivo repassou prejuízo de 1,7 bilhão de ienes (US$ 15 milhões) para a Nissan por meio de uma operação financeira quando foi cobrado por um banco.

A Comissão de Vigilância de Títulos e Câmbio do Japão (Sesc) descobriu as irregularidades durante inspeção de rotina neste ano, segundo o Asahi.

A Nissan disse não poder comentar a informação, e um porta-voz da Sesc disse que o órgão não pode falar sobre casos individuais.

Ghosn está detido em Tóquio após ser preso na semana passada por fraude financeira, incluindo acusações de subdeclarar sua remuneração durante anos. O executivo nega as alegações, segundo a emissora pública japonesa NHK.

Ghosn, que foi removido por votação unânime como presidente do conselho de administração da Nissan na semana passada, também foi deposto de seu cargo na parceira Mitsubishi na segunda-feira.